“Fiquei sem voz”, afirma médico após constatar cura miraculosa pela intercessão de Maria

Antonietta Raco

O bispo de Tursi-Lagonegro, Itália, foi um dos primeiros a anunciar a cura surpreendente de Antonietta Raco, paralisada desde 2005 por causa de uma esclerose lateral amiotrófica (ELA) e curada após uma peregrinação a Lourdes em 2009. Antonieta, 50, vive em Francavilla in Sinni, cidade perto de Potenza, na região de Basilicata (sul da Itália). Ela vinha sendo tratada num grande hospital longe de seu lar: o hospital Le Molinette, em Turim, no norte da Itália. Após começar a caminhar maravilhosamente, ela voltou ao hospital onde o professor Adriano Chiò declarou:

Dr. Adriano Chiò

“Jamais vi um caso do gênero em doentes de esclerose lateral amiotrófica. O diagnóstico era inequívoco: ela tinha uma forma da doença de evolução lenta. É uma doença que pode diminuir de velocidade e, no máximo parar,mas não acreditamos ser possível que melhore, porque atinge os neurônios irreversivelmente. O que nós temos visto por agora é uma regressão da doença, coisa que cientificamente nós acreditamos impossível em pacientes atingidos pela esclerose lateral amiotrófica”.

Em agosto de 2009, Antonieta narrou ao diário do episcopado italiano “Avenire” a consulta ao médico:

“Eu tinha pressa para ver os médicos. Esperava que algum deles dissesse que eu não tinha mais nada. Na consulta, vi o estupor dos especialistas. O professor Chiò quis que eu contasse tudo o que me aconteceu sem esconder nada. Ele ficou estupefato e me disse: ‘Fiquei sem voz’. Ele mandou fazer novos exames e proibiu suspender a terapia. E, sem acrescentar mais nada me abraçou. Ficamos todos emocionados. Eu vou rezar sempre por ele desejando que se descubra logo a cura da ELA”.

O medo de ser “eutanasiada”

Antonieta contou a “Avenire”:

“Em Lourdes, eu não pedi um milagre. Eu pedi a Nossa Senhora forças para viver com dignidade cada instante de vida que me restava”.

Antonieta tinha pânico de acontecer com ela o que foi feito com Piergiorgio Welby e Eluana Englaro. Este último caso é mais conhecido no Brasil: ela foi “eutanasiada” – leia-se assassinada – por decisão do Judiciário contra o protesto universal do mundo católico, especialmente dos católicos italianos.

Esses casos “impressionaram-me. Interromperam os auxílios vitais para essas pessoas. Eu rezei para que não me acontecesse nada parecido. A vida deve ser vivida sempre e em todas as circunstâncias, até o fim. Eu também rezei por uma menina de minha aldeia atingida também pela ELA”.

Entrada na piscina em Lourdes

“Entrando na água fui ajudada por três damas, duas delas afastaram-se logo e outra continuou me ajudando, mas enquanto ela agia senti a presença de mais alguém que segurava meu pescoço. Tentei virar-me para ver quem era, mas não tinha ninguém. Então senti uma grande dor nas pernas e depois um alivio. Foi nesse momento que eu ouvi, na minha esquerda, uma voz feminina belíssima, delicada, tenra, leve. Jamais ouvi algo semelhante. O único fato de ouvi-la me aliviava fisicamente. Ela me dizia: ‘Não tenhas medo, não tenhas medo!’ Mas, eu tremia, eu tinha muitíssimo medo, inclusive porque era a única que ouvia essa voz”.

Na hora de contar ao marido

Na tarde do dia 5 de agosto de 2009, após a romaria a Lourdes, Antonieta ouviu de novo a mesma voz. Até aquele momento ela não tinha contado nada a ninguém.

Relata ela: “Eu estava sentada no canapé, meu marido estava a poucos metros de mim. Eu ouvi de novo e claramente a mesma voz de Lourdes: ‘Chama-o, conta para ele’. E eu dizia para mim mesma: ‘Mas o que devo lhe dizer?’ E ouvi ainda: ‘chama teu marido e fala para ele’. Então chamei a meu marido Antonio, e eu me pus de pé, caminhei alguns passos e virei sobre mim mesma. Ele não acreditava no que estava vendo. E então lhe contei tudo”.

Antonietta Raco tem vivo desejo de voltar para Lourdes “mas como voluntária, para ajudar os doentes, assim como outros me ajudaram”.

O bispo sublinha os efeitos desta cura: “Isto trouxe de volta o fervor para aqueles que tinham fé, chacoalhou as consciências tíbias ou apáticas. Muitos prometeram ir a Lourdes e se porem a serviço dos doentes. Os doentes dizem: ‘eis que essa mulher recebeu o milagre, mas ela nada pedira'”.

 

Fonte: Blog Carmadélio

Anúncios

Sobre Alex C. Vasconcelos

Casado, 32 anos, pai de uma princesa, Advogado, Acólito na Paróquia do Divino Espírito Santo em Maceió/AL.
Esse post foi publicado em Notícias e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s