Afinal, a IGREJA fundada por Jesus Cristo ou uma das 50.000 igrejas divergentes entre si?

Foi só uma pesquisa anunciar que os “evangélicos” estão em marcha crescente que os filhos de Lutero se arvoraram em comemorar o crescimento de sua religião “una”. Sites e mais sites enaltecem a subida vertiginosa das religiões e igrejas ditas evangélicas.

Entretanto, alguns fatos passaram desapercebidos:
a) O crescimento evangélico já foi maior nos primeiros anos da década pesquisada;
b) O número de evangélicos que se declara como “sem igreja” já soma mais de 6 milhões de pessoas e continua crescendo;
c) Todo mundo já ouviu de algum pregador protestante a famosa expressão: “Nós o povo de DEUS e representamos 30% da população brasileira”.

Primeiro que não são 30%. São 22% , sendo que 6.000.000, aproximadamente, integram o grupo dos “sem igreja”, e neste caso os 22% representam mais ou menos apenas 19%. De 30% anunciados pelos pregadores televisivos para 19% existe uma diferença bem grande.

Segundo, tais pregadores que falam do “Povo de DEUS” não possuem condições de avaliar o que cada crente em cada denominação crê e pratica.
Se já é difícil a um pregador de São Paulo conhecer a fé de cada um dos seus “súditos”, o que se dirá da fé e cristianismo praticados em uma denominação em Roraima ou da fé e cristianismo de um crente em Goiânia!

Terceiro, neste suposto “Povo de DEUS” estão incluídos aqueles que são acusados de heresias por outros pregadores.

Sim. Não há um pregador que não acuse outros pregadores de heresias e não há um pregador que não tenha sido chamado de herege por outros pregadores protestantes. No entanto, quando surgem as estatísticas, como em um passe de mágica, todos voltam a ser “Povo de DEUS”, “Raça Eleita” e “Irmãos em Cristo.”

Como isto é possível, a não ser pelo fato de que o protestante crê na salvação pelo rótulo?

Ora, entre os 22% de evangélicos espalhados pelo país estão aqueles que pertencem à denominação cujo líder é favorável ao aborto. Encontram-se dentro deste percentual também aqueles que diziam que o Papa João Paulo II era a besta do apocalipse. Erraram feio, mas ainda que sejam falsos profetas continuam sendo respeitados e tem gente parando para escutar o que esses falsos “ungidos” pregam!

Dentro desse percentual encontram-se ainda aqueles que integram a denominação que defende a heresia de Ário. Encontram-se ainda os praticantes do evangelho judaizante, os defensores do casamento entre pessoas do mesmo sexo, os defensores do divórcio e aqueles que pregam a teologia da prosperidade…

A estes grupos acrescentamos os “sem Igreja”, os defensores da “teologia da determinação” e aqueles que praticam unção do cachorro, unção da vassoura, unção do helicóptero, unção do zoológico e unção da galinha, entre tantos outros grupos.

Que unidade evangélica é essa desse suposto “Povo de Deus”?

Estariam todos “salvos”, sendo tão divergentes entre si?

Nestes 22% que se autodenominam “Povo de DEUS” estão aqueles que disseram que 99% dos cantores evangélicos estão endemoniados. E curiosamente encontram-se também nos mesmos 22% os ditos endemoniados que, negando a acusação, dizem que seus algozes estão desesperados com a fuga de fiéis.

Incrível! Só no protestantismo tal ocorrência é possível. Integram o grupo dos “salvos” os acusados de terem demônios e seus acusadores. E todos se reconhecem como “irmãos em Cristo”.

Vamos considerar a máxima: “Se todos estão salvos, o que lhes favorece tal condição, mesmo que sejam divergentes entre si, e mesmo que uns acusem outros de heresias”?

A primeira coisa a considerarmos é que se todos acusam alguém no meio como hereges e todos são chamados de hereges em algum momento, podemos afirmar categoricamente que para o protestante heresia protestante não condena ninguém ao inferno.

É incompatível alguém chamar outro de herege e ao mesmo tempo os dois juntos integrarem um mesmo “Povo de DEUS”.

Mas é assim que funciona o protestantismo.

Assim sendo, se por um lado admitem que heresia protestante não condena ninguém ao inferno, o que efetivamente leva o protestante para o céu?

1) Estão todos salvos pelo fato de que todos “aceitaram” Jesus em um templo protestante ?

Então o protestante é salvo pelos próprios méritos. Ele teve a inteligência de escolher uma denominação protestante para seguir e teve a sabedoria de “aceitar” Jesus.

2) Estão todos salvos por que desfilam com os rótulos protestante ou evangélico?

Então, ao contrário do que dizem que placa de igreja não salva, já não é a fé ou o cristianismo que se pratica, mas apenas o rótulo. Pouco importa seguir ou não a Jesus e seu evangelho, mas apenas receber as marcas protestante ou evangélico.

3) Estão todos salvos por que possuem em comum como inimiga a Igreja Católica?

Então, o que é o protestantismo a não ser a doutrina que prega o anti catolicismo?

Temos ainda no meio protestante quem goste da transferência de unção. Já tem doutrinador negando que Jesus Cristo é DEUS, mas apenas uma criação deste mesmo DEUS. Outros tantos praticam a doutrina que determina a vitória em nome de Jesus. Outros professam um Jesus patrocinador e adepto de dízimos no débito automático. Tem até Jesus operador de TV a cabo. Que horror!

As opções são muitas no protestantismo. O que não falta ao protestante é criatividade. Tem “Jesus” para todos os gostos.

Há também aqueles que praticam quebras de maldições e descarrego.

Temos ainda a unção da lama ou do chifre. Temos Jesus protestante adepto de fogueiras santas e desafios financeiros.

Tem unção do helicóptero e benção do aeroporto!

Tem teologia da regressão ao útero materno. Diz o protestante: “Deve ser tremendoooooo!!!”.

Tem quem determina sua vitória e faça exigências a DEUS para que suas “necessidades” sejam atendidas.

Tem até quem defenda que se deve tomar posição diante de DEUS. Não foi isto que Judas fez? Não foi ele que tomou posição diante do DEUS vivo?

Tem quem diz que DEUS irá restituir tudo que lhe foi tomado. Tomado por quem? DEUS está obrigado a restituir? Será que ele já não nos deu o bastante?

Tem pregador com cobra enrolada no pescoço e tem quem batize em parque de diversões.

Tem quem promova lutas para atrair público. Eu pensava que Jesus Cristo já era motivo mais do que suficiente para atrair as pessoas.

E todos são “irmãos em Cristo”, todos engrossam o “Povo de DEUS”, todos aparecem nas estatísticas como 22% da população brasileira e todos, sem exceção, vibram com a possibilidade de chegarem aos 50% em 2040.

Em outras palavras, no meio protestante, quem não pratica tais doutrinas se faz cúmplice de tais obras, ao assumir a condição de religião única evangélica ou quando se declara “irmão em Cristo” de um daqueles.

Todos os protestantes creem da mesma forma? Definitivamente não.

Os protestantes são parecidos no que eles costumam definir como “doutrina básica”? Não. Existem doutrinas muito divergentes. E nem Jesus ou a Bíblia ensinam que as doutrinas poderiam divergir e que “tanto faz” isso ou aquilo.

Seguramente, podemos afirmar que Jesus Cristo não tem opiniões distintas para um mesmo tema. Ele é firme. Ele é a verdade e não meia verdade. Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente.

Portanto, repudiamos as doutrinas que defendem um Jesus Cristo do tanto faz. Tanto faz se tem batismo ou não. Tanto faz se aceita ou não o divórcio. “O importante é a fé”. “Não importa a denominação”. “Olha para Jesus”.

“Uma só fé”, disse S. Paulo. Significa que todos devem crer nas mesmas verdades. Tal não ocorre no protestantismo.

“Um só batismo”, disse S. Paulo. No protestantismo tem quem não batize, tem quem batize muito diferente um do outro e tem que não aceita batismo de outra igreja.

“Um só Senhor”, disse S. Paulo. É no protestantismo que tem gente negando o Senhor.

Um só DEUS. No protestantismo cada denominação ou cada cabeça cria seu próprio “deus” moldado conforme as necessidades pessoais.

Onde são vistas as heresias que acima evidenciamos? No protestantismo ou no catolicismo?

E agora Uma só Igreja ou 50.000 divergentes entre si?

Somadas as milhares de seitas, estas juntas alcançam a 1/3 do número de católicos.

Foram necessárias 50.000 igrejas diferentes se unirem contra apenas uma para alcançarem menos de 20% da população brasileira.

E o que têm todas essas seitas divergentes em comum? Aversão pela Igreja Católica.

Que ninguém se engane. Esta igreja não atravessou dois milênios para nada.

Esta Igreja assistiu a derrota do Império Romano. Assistiu a derrota dos nazistas e a derrocada dos comunistas no mundo inteiro.

Esta Igreja viu Napoleão e seu grande exército desaparecerem.

Esta Igreja continuará oferecendo até o fim dos tempos o sacrifício perfeito do qual falaram os profetas no Antigo Testamento.

Com toda certeza podemos dizer:
1) “PESQUISA DO IBGE, ESTATÍSTICA E RÓTULO DE ‘POVO DE DEUS’ NÃO SALVAM NINGUÉM”.
2) “E as portas do inferno não prevalecerão contra minha Igreja”.

Mateus 16, 15-19: “Disse-lhes Jesus: ‘E vós quem dizeis que eu sou?’ Simão Pedro respondeu: ‘Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!’ Jesus então lhe disse: ‘Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus’.”

Autor: A. Silva / Com a colaboração de V. de Carvalho e Claudio Maria.

Fonte: Blog Carmadélio – Com. Shalom

Anúncios

Sobre Alex C. Vasconcelos

Casado, 32 anos, pai de uma princesa, Advogado, Acólito na Paróquia do Divino Espírito Santo em Maceió/AL.
Esse post foi publicado em Notícias e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Afinal, a IGREJA fundada por Jesus Cristo ou uma das 50.000 igrejas divergentes entre si?

  1. André Silva e Dani Acioli disse:

    UMA RESPOSTA AO SILAS MALAFAIA SOBRE OS DEBOCHES POR CONTA DA PESQUISA DO IBGE

    O PROTESTANTISMO DAS PESQUISAS COM SEUS kkkkkkkkkkkkk´s E ahahahahahah´s
    ========================================================================

    Protestantes não raras vezes discordam uns dos outros.

    E mesmo que todos identifiquem heresias uns nos outros, todos se consideram irmãos em Cristo para fins estatísticos.

    A maior parte reconhece que o Espírito Santo não ensina doutrinas divergentes e opostas entre si.

    E assim nunca foi segredo para ninguém que uma Igreja evangélica não é igual a outra.

    Entretanto, os institutos de pesquisas e a imprensa colocam de um mesmo lado todas as igrejas protestantes e evangélicas.

    E a maior parte dos pregadores, fazendo-se de ingênuos, tentam sugerir que todos juntos integram uma “única” e “una” Igreja Evangélica Brasileira.

    Não é por inocência que fazem isto. É colossal a diferença em percentuais e números absolutos favoráveis a Igreja Católica em relação a qualquer outra igreja do Brasil.

    E mesmo somadas todas as 50.000 ou 60.000 igrejas protestante e evangélicas, e, admitindo que os percentuais e números anunciados estejam corretos, ainda assim estas igrejas todas somadas alcançaram menos da metade do número de católicos no Brasil.

    Estou fazendo apenas um registro. Maioria católica não praticante ou maioria evangélica sem compromisso efetivo com a unidade verdadeira ordenada por Jesus Cristo penso que não podem operar grandes transformações ou mudanças.

    Retomando:

    Quando surgem as estatísticas e pesquisas que sugerem falsamente a existência de uma só Igreja evangélica, o zelo pela coerência e o desejo na transmissão da sã doutrina desaparecem até mesmo dos honestos e bem intencionados.

    Pouco importa o que cada grupo ou pessoa prega ou o Cristo que se pretende seguir. O importante é o apontamento de determinado Instituto de pesquisa sobre os percentuais de igrejas evangélicas e número de crentes que assim se declaram.

    Todos os dias podemos verificar textos e artigos de pregadores famosos que estão exultantes com o “sucesso” desta “una” igreja evangélica onde tem de tudo e onde todos se atacam e muitos são abertamente denominados como apóstatas e hereges.

    Tem gente séria sendo injustamente chamada por outros de trouxas, idiotas, endemoníados e até filhos do diabo.

    No entanto, mesmo estes que são ofendidos por outros de forma brutal e injusta, SURPREENDENTEMENTE, logo que surgem as pesquisas assumem que todos, inclusive seus acusadores, “integram” a “única” e “una” Igreja Evangélica Brasileira.

    Para fins estatísticos todos estão “salvos” por causa das placas e dos rótulos protestante e evangélico.

    E curiosamente e contraditóriamente, todos gritam ao mesmo tempo contra o catolicismo que religião, placa de igreja ou rótulo não salvam ninguém.

    O que temos visto por aí ?

    Recentemente, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, um líder evangélico muito determinado nos ataques ao Papa Francisco confirmou a máxima de que as pesquisas parecem ser mais importantes do que a qualidade do cristianismo:

    Incomodado especialmente com o discurso do Papa Francisco sobre a pobreza, este líder manifestou-se no twitter naqueles dias do mês de julho de 2013 da seguinte forma:

    “…Olha a nossa preocupação: segundo o IBGE, nós, os evangélicos em 2020 serão maioria no Brasil. Como estamos preocupados, deixa eu [rir] kkkkkkk.”

    Tenho impressão que o IBGE não fez tal afirmação. Não importa !

    Esta celebridade evangélica colocou todo mundo no mesmo saco, incluindo seus adversários com os quais já brigou e cujas doutrinas condenou.

    E também incluiu aqueles outros tantos que condenaram suas doutrinas, em especial, a doutrina da prosperidade que ele vem pregando e que a maioria, GRAÇAS A DEUS, rejeita, repudia e repele.

    O que vale realmente para este líder é tão e somente o que dizem as pesquisas.

    E ao que tudo indica, este líder parece ser o que há de melhor no meio evangélico.

    Grande parte dos evangélicos fez dele seu representante para diversos assuntos, especialmente quando se abre espaço para este líder nos grandes canais de tv.

    Se ele está na TV, torna-se repentinamente o representante de todos. Ou quase todos.

    Nesta “una” Igreja Evangélica Brasileira sugerida por este líder tem de tudo, se não vejamos:

    Unção da meia. Unção da Vassoura. Unção do leão. Unção do zoológico. Regressão ao útero materno. Troca de anjos da guarda. Transferência de unção. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Culto das princesas. Há quem batize e tem quem não batize. Tem quem acata o divórcio. Tem quem defenda a teologia da prosperidade e tem quem diga que isto é uma aberração. Tem quem guarde o sábado e tem quem guarde o domingo. Tem adoração da arca da aliança e tem fogueira santa ou desafios financeiros. Tem confissão positiva e tem até venda de canais por assinatura e venda de Bíblia da prosperidade. Tem pastor televisivo pregando a heresia de Ário. Tem pastor dizendo que ajudar os pobres desvia recursos da igreja. E tem pastor dizendo que não se deve tocar no “ungido” do Senhor. Tem pastor “determinando” e tem pastor mandando tomar posse da benção.

    E contra todas estas doutrinas existem muitos outros grupos, denominações e pessoas que também se declaram protestantes ou evangélicos e que também divergem umas das outras em outros temas.

    Tem ainda o grupo dos sem igreja que também se declara protestante/evangélico e que se afastou de todos os outros grupos.

    Mas este líder convive muito bem com toda esta confusão e Babel teológica.

    Vejamos o que ele acrescentou no twitter:

    “O único país do mundo onde os 3 últimos papas estiveram foi o Brasil. Somos nós que estamos preocupados? Deixa eu rir mais um pouco kkkkkkkkk”.

    Sem dúvida alguma para ele o “somos nós” significa que todos são “irmãos em Cristo”. Ele não fez qualquer distinção.

    Assim sendo, naquele grupo que ele elegeu como “Os salvos”, necessariamente, tem até o seu antigo mentor que é o auto proclamado bispo que prega a favor do aborto.

    Sinceramente, não vejo como podem pertencer ao mesmo grupo de “eleitos” ou “salvos”, os defensores do aborto e seus opositores.

    E como é possível que sejam “Irmãos em Cristo” os pregadores da teologia da prosperidade e todos aqueles que dizem que esta doutrina é obra do diabo ?

    Não há como negar a salvação pelo rótulo que vem sendo encarnada e assumida pelos protestantes e evangélicos rotineiramente.

    E quanto aos que berram sobre os percentuais alcançados nas pesquisas e estatísticas, podemos afirmar que se não é por ignorância, é tão e somente por má-fé que é possível alguém encher a boca e dizer “Povo de DEUS” ao fazer referência a um determinado grupo, quando se sabe que ele próprio já condenou doutrinas de muitos que ali estão inseridos e sabendo que ele também teve suas doutrinas ou ensinos condenados por tantos outros que fazem parte do mesmo grupo.

    No que diz respeito a uma eventual maioria evangélica no ano de 2020 e sobre a qual este líder fez referência, podemos dizer o seguinte:

    Se houver maioria evangélica ou maioria católica em 2020, DEUS ainda estará no controle de tudo.

    Se tivermos bons evangélicos que confessam Jesus Cristo como Senhor e DEUS uno e trino e cada qual assumir de fato a sua cruz, por via de consequência teremos bons cristãos.

    E os evangélicos sendo bons cristãos em 2020 por certo respeitarão as minorias. Respeitarão as leis. Serão amorosos com os católicos, cordiais, gentis e atenciosos. Respeitarão todas as religiões e terão apreço pela liberdade religiosa.

    Se esta maioria evangélica fizer como Jesus Cristo, então nós católicos seremos servidos por eles.

    Seremos acolhidos e nos darão de comer e beber.

    Seremos abrigados e vestidos.

    Ao que tudo indica, este líder evangélico esquece o que ele próprio vem pregando habitualmente.

    Por vezes, são as minorias que devemos temer.

    Finalmente, disse ainda no twitter este líder que agora aparece nos canais de TV, diga-se de passagem para alegria e encantamento de muitos no meio evangélico que antes “repudiavam” algumas destas emissoras:

    “A verdade é que tem gente que não suporta a verdade, quando ela o confronta. Deixa eu [rir] ahahahahahah”

    Mas será que ele suporta a verdade ?

    Para a decepção deste líder evangélico:

    “Quem define as coisas no Reino Espiritual não é o IBGE irmão, mas o Espírito Santo, o Deus Todo-Poderoso. Ele nunca erra! (Padre Roger Luis também no twitter)”

    Reconheço que todo homem e mulher podem e devem aderir a fé, crença ou credo que lhes pareçam mais favoráveis ou adequados. Não concordo com qualquer tentativa de cerceamento de liberdade religiosa. Não aceito também ofensas a honra e dignidade das pessoas.

    Autor: André Silva com a colaboração de V.De Carvalho – Livre divulgação mencionando-se os autores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s