À Sua imagem e semelhança

Para refletir, rezar e agradecer…

***

Pássaros são semelhantes a outros pássaros. Cães são semelhantes a lobos. Mas cães não são semelhantes a pássaros. Montanhas são semelhantes entre si, oceanos são semelhantes, mas a montanha não se assemelha ao mar. O mar não lembra montanhas, nem aves lembram cães.

É característica dos semelhantes que um lembre do outro. Há coisas em comum que os fazem, não iguais, nem parecidos, mas criaturas que se lembram. O dicionário Aurélio define a palavra semelhança como “Relação entre seres, coisas ou idéias que apresentam entre si elementos conformes, além daqueles comuns à espécie”.

Vale dizer: semelhante não é igual. Nem necessariamente parecido. É alguém que lembra alguém ou algo que lembra algo, porque tem características em comum.

Deus e eu…

Nesse sentido é que a Bíblia afirma que o Homem é feito à imagem e semelhança de Deus (Gen. 1,26-27) e a teologia católica afirma que somos semelhantes a Deus. Em nenhum momento a Igreja quer dizer que Deus se parece conosco. Nem pode afirmar que Deus se assemelha a nós. Ele não pode ser comparado a nada e a ninguém. Quem se assemelha somos nós, que precisamos ser comparados.

Se alguém tem algo que lembra alguém, este alguém somos nós, que temos valores que lembram a idéia de Deus. Já, Deus, existiu antes de qualquer criatura e poderia continuar existindo e sendo ele mesmo sem nós. Assim, é preciso uma certa dose de humildade para entender o que isso quer dizer: O ser humano lembra a existência de Deus. A idéia de ser humano pode levar à idéia de Deus. É o que diz o Catecismo Católico quando afirma no número 32 que a pessoa humana é uma das vias de acesso ao conhecimento de Deus.

Deus não se parece conosco, mas o ser humano tem algumas qualidades que apontam para Ele, o OUTRO, O grande ser, Aquele que é quem é. Somos semelhantes, mas estamos longe de ser COMO DEUS. Uma alegoria Bíblica (Ap. 12,9; Mt. 25,41) diz que a revolta dos anjos teve esse teor: Lúcifer (que significa o “Porta-luz”) quis ser COMO DEUS. Miguel (que significa “Quem é como Deus?”) expulsou Lúcifer e seus anjos revoltosos do paraíso. Por não aceitar apenas uma leve semelhança e querer mais do que isso, Lúcifer – Porta luz -, tornou-se Satanás, o tentador, o inimigo, ou diabo, aquele que separa ou confronta. É uma alegoria. Mas ensina o suficiente sobre o nosso lugar de criaturas humanas.

Podemos, com a nossa vida apontar para Deus, mas nunca seremos pequenos deuses, nem pedaços de Deus. Somos humanos. Há uma distância infinita entre Ele e nós. Deus só está perto porque quis estar perto. Por isso o chamamos Emanuel, o “Deus no meio de nós”.

Padre Zezinho

***

“O SENHOR te abençoe e te guarde! O SENHOR faça brilhar sobre ti sua face, e se compadeça de ti! O SENHOR volte para ti o seu rosto e te dê a paz!” (Números 6, 24-26)
 
Tenha um dia beeeeem abençoado!!!!
Anúncios

Sobre Alex C. Vasconcelos

Casado, 32 anos, pai de uma princesa, Advogado, Acólito na Paróquia do Divino Espírito Santo em Maceió/AL.
Esse post foi publicado em Formação, Pensamentos e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s