Dom Bosco – “Pai e Mestre da Juventude”

Hoje a Igreja toda aclama João Melchior Bosco, SDB (Castelnuovo d’Asti, 16 de agosto de 1815 — Turim, 31 de janeiro de 1888) sacerdote católico italiano, fundador da Pia Sociedade São Francisco de Sales e canonizado em 1934, popularmente conhecido como Dom Bosco, o “santo dos jovens”.

Foi aclamado pelo Papa João Paulo II como o “Pai e Mestre da Juventude”, o “santo dos jovens”, e é o padroeiro de Brasília.

Vida e Obra

Nasceu do segundo casamento de Francesco Bosco, tendo por mãe Margherita Occhiena. A família era ainda composta pelo irmão do primeiro casamento do pai, Antônio, e seu irmão mais velho, José.

Ficou órfão de pai quando tinha apenas dois anos de idade. Diante da difícil situação econômica porque passava o norte da Itália, sua infância foi marcada pela pobreza da família.

Começou a estudar por volta dos nove anos, aos dezesseis anos passa a freqüentar a escola de Castelnuovo D’Asti e aos vinte ingressa no Seminário de Chieri, sendo ordenado sacerdote em 5 de junho de 1841, pelo bispo Luigi Fransoni. Após a ordenação, transfere-se para Turim, onde passa a exercer seu ministério.

No contexto da revolução industrial na Itália, havia grande contingente de jovens sem família nas grandes cidades. Desde 1809, em Milão, a Igreja Católica mantinha um tipo de obra assistencial para jovens denominada oratório, que se ocupava de lazer, educação e catequese. O primeiro oratório de Turim foi fundado em 1841, pelo padre Giovanni Cochi. Influenciado por essas iniciativas, Bosco funda em 8 de dezembro de 1841 um oratório em Turim, quando atende e ensina o jovem Bartolomeo Garelli na sacristia da Igreja de São Francisco de Assis. Em 8 de dezembro de 1844, esse oratório passa a denominar-se “Oratório de São Francisco de Sales” e em 1846 passou a ter sua sede numa propriedade de Francisco Pinardi, no bairro turinense de Valdocco.

Fundação dos Salesianos

Bosco pensava em organizar uma associação religiosa, contudo, o contexto político da unificação da Itália, a disputa pela separação entre Estado e Igreja, não estimulavam a criação de uma ordem religiosa nos moldes tradicionais.

O ministro Umberto Ratazzi lhe sugeriu organizar uma sociedade de cidadãos que se dedicasse às atividades educativas realizadas pelos oratórios em moldes civis. Bosco propõe a Sociedade de São Francisco de Sales, que seria vista como uma associação de cidadãos aos olhos do Estado e como uma associação de religiosos perante a Igreja. Após consultar o Papa Pio IX, Bosco recebeu de seus companheiros padres, seminaristas e leigos a adesão à Sociedade de São Francisco de Sales em 18 de dezembro de 1859 e, em 14 de março de 1862, os primeiros salesianos fizeram os votos religiosos de castidade, pobreza e obediência. Nasciam os Salesianos.

A partir de 1863, além dos oratórios, os salesianos passam a se dedicar também aos colégios e escolas católicas para meninos e jovens. Com a separação entre Estado e igreja, há forte demanda por escolas católicas, fazendo com que esse tipo de instituição se dissemine rapidamente. As regras da Sociedade, chamadas de Constituições, foram aprovadas pela igreja em 1874. Em sua morte, em 1888, a Sociedade contava com 768 membros, com 26 casas fundadas nas Américas e 38 na Europa.

Fundação das Filhas de Maria Auxiliadora (Salesianas)

Em 1861, na cidade italiana de Mornese, Maria Domingas Mazzarello convida sua amiga Petronilla para juntas organizarem uma oficina de costura para meninas. Em 1863 a oficina começa a acolher meninas órfãs. O seu trabalho é superviosionado pelo Pe. Domingos Pestarino, que havia se associado aos Salesianos. Com o auxílio de Pestarino, Bosco propõe às jovens que se organizem como uma congregação religiosa, com o nome de Filhas de Maria Auxiliadora e em 5 de agosto de 1872 as primeiras Salesianas fazem seus votos. Maria Mazzarello foi a primeira superiora da congregação.

Fundação da Associação dos Salesianos Colaboradores (Salesianos Leigos)

De início, a proposta da Sociedade de São Francisco de Sales incluía, padres, irmãos e leigos externos, porém essa forma de organização não foi aprovada pela igreja católica, que queria apenas padres e irmãos, como nas demais congregações. Sendo assim, Bosco propôs a Associação Leiga dos Salesianos Cooperadores, que foi aprovada em 1876 pelo Papa Pio IX. O objetivo era o mesmo da Sociedade de São Francisco de Sales, a saber: o trabalho educativo e catequético junto aos meninos e aos jovens. Em sua forma de associação, tornou-se uma sociedade mista, com homens e mulheres leigos.

Sonhos de João Bosco

Há controvérsia se seriam sonhos, visões ou premonições. O próprio São João Bosco parece que não sabia muito bem como lidar com esses eventos. Por fim, decidiu dar-lhes atenção, pois muitas vezes eram sonhos de caráter premonitório, que o avisavam sobre a morte iminente de algum aluno ou salesiano. Era seu costume contar o sonho a seu confessor ou diretor espiritual antes de contá-lo aos demais.

Com relação aos sonhos de São João Bosco, o Papa Pio IX, ordenou-lhe que consignasse tudo por escrito, em seu sentido literal e de forma detalhada, para maior estímulo dos filhos da Congregação Salesiana.

O sonho sobre sua missão

A biografia de João Bosco elenca inúmeros sonhos, desde o primeiro, ainda na infância, quando se vê brigando com outros meninos e um homem – de acordo com os símbolos do sonho, Jesus Cristo – se aproxima e lhe diz para educar “Não com pancadas, mas com carinho”.

Dom Bosco e Brasília

Em outro sonho, vê, entre os paralelos 15 e 20 do Hemisférios Sul, um lugar de muita riqueza, próximo a um lago:

“Tra il grado 15 e il 20 grado vi era un seno assai lungo e assai largo que partiva di un punto che formava un lago. Allora una voce disse ripetutamente, quando si verrano a scavare le miniere nascoste in mezzo a questi monti di quel seno apparirà quila terra promessa fluente latte e miele, sarà una ricchezza inconcepibilie” (Memorie Biografiche, XVI, 385-394)

Esse lugar é atribuído por alguns intérpretes como sendo Brasília, motivo pelo qual São João Bosco é um dos padroeiros daquela cidade.

Beatificação e Canonização

Tendo participado do período do Risorgimento e se relacionado com seus atores principais, Dom Bosco acabou por participar, indiretamente, da resolução do último aspecto que aquele movimento deixou em aberto para o século XX: a Questão Romana.

O momento da beatificação de Dom Bosco (1929) coincide com a Concordata de São João de Latrão, celebrada entre Benito Mussolini e o Cardeal Pietro Gasparri, com a aprovação do Papa Pio XI. A coincidência não é gratuita, mas representa, naquele momento, uma expressão de nacionalismo italiano, com Mussolini, que estudara um ano no colégio salesiano de Faenza, elogiando Dom Bosco, e com Pio XI pondo fim ao poder temporal da Igreja, permitindo a final unificação da Itália e considerando Mussolini um “homem da Providência”.

Na canonização de Dom Bosco em 1934 o contexto será bem outro. Descontente com os rumos do fascismo e do nazismo, Pio XI escreverá duas encíclicas, uma em alemão e outra em italiano, condenando ambas as ideologias.

Na ocasião de sua canonização, o Papa Pio XI declarou: “Em sua vida, o supernatural tornou-se quase natural e o extraordinário ordinário”.

Hoje existem cerca de 40.000 salesianos (padres e irmãs) trabalhando em 120 países. Eles cuidam de 220 orfanatos, 219 clínicas e hospitais, 864 creches e mais de 3.000 escolas, das quais quase 300 são escolas técnicas e quase 100 agrícolas.

Dom Bosco faleceu no dia 31 de janeiro de 1888, e cerca de 100.000 pessoas ou mais foram ao seu funeral ou visitaram seu corpo em Turim. Contudo, dizem que as centenas de pessoas presentes ao seu funeral não oraram por ele, mas, a ele.

Enfim, Dom Bosco era um homem voltado para o céu e, por isso, enraizado com o sofrimento humano, especialmente, dos jovens. Grande devoto da Santíssima Virgem Auxiliadora, foi um homem de trabalho e oração. Exemplo para os jovens, foi pai e mestre. São João Bosco foi modelo, mas também soube observar tantos outros exemplos. Fundou a Congregação dos Salesianos dedicada à proteção de São Francisco de Sales, que foi o santo da mansidão. Isso é o que Dom Bosco foi também para aqueles jovens e para muitos, inclusive aqueles que não o compreendiam.

***

E, para bem demonstrar o amor que o “santo dos jovens” tinha pelo seu trabalho, pelo seu ministério, segue-se um texto, de sua autoria, intitulado “Sempre trabalhei com amor”… Aprendamos um pouco com o “Pai e Mestre da Juventude”!

Sempre trabalhei com amor

Antes de mais nada, se queremos ser amigos do verdadeiro bem de nossos alunos e levá-los ao cumprimento de seus deveres, é indispensável jamais vos esquecerdes de que representais os pais desta querida juventude. Ela foi sempre o terno objeto dos meus trabalhos, dos meus estudos e do meu ministério sacerdotal; não apenas meu, mas da cara congregação salesiana.

Quantas vezes, meus filhinhos, no decurso de toda a minha vida, tive de me convencer desta grande verdade! É mais fácil encolerizar-se do que ter paciência, ameaçar uma criança do que persuadi-la. Direi mesmo que é mais cômodo, para nosa impaciência e nossa soberba, castigar os que resistem do que corrigi-los, suportando-os com firmeza e suavidade.

Tomai cuidado para que ninguém vos julgue dominados por um ímpeto de violenta indignação. É muito difícil, quando se castiga, conservar aquela calma tão necessária para afastar qualquer dúvida de que agimos para demonstrar a nossa autoridade ou descarregar o próprio mau humor.

Consideremos como nossos filhos aqueles sobre os quais exercemos certo poder. Ponhamo-nos a seu serviço, assim como Jesus, que veio para obedecer e não para dar ordens; envergonhemo-nos de tudo o que nos possa dar aparência de dominadores; e se algum domínio exercemos sobre eles, é para melhor servirmos.

Assim procedia Jesus com seus apóstolos; tolerava-os na sua ignorância e rudeza, e até mesmo na sua pouca fidelidade. A afeição e a familiaridade com que tratava os pecadores eram tais que em alguns causava espanto, em outros escândalo, mas em muitos infundia a esperança de receber o perdão de Deus. Por isso nos ordenou que aprendêssemos dele a ser mansos e humildes de coração.

Uma vez que são nossos filhos, afastemos toda cólera quando devemos corrigir-lhes as faltas ou, pelo menos, a moderemos de tal modo que pareça totalmente dominada.

Nada de agitação de ânimo, nada de desprezo no olhar, nada de injúrias nos lábios; então sereis verdadeiros pais e conseguireis uma verdadeira correção.

Em determinados momentos muito graves, vale mais uma recomendação a Deus, um ato de humildade perante ele, do que uma tempestade de palavras que só fazem mal a quem as ouve e não têm proveito algum para quem as merece.

 

Fonte: Das Cartas de São João Bosco (Epistolario, Torino 1959, 4,201-203, séc.XIX)

Sobre Alex C. Vasconcelos

Casado, 32 anos, pai de uma princesa, Advogado, Acólito na Paróquia do Divino Espírito Santo em Maceió/AL.
Esse post foi publicado em Devoção, Santo do dia e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Dom Bosco – “Pai e Mestre da Juventude”

  1. Doutrina Católica disse:

    A história de vida deste santo, São João Bosco muito me encanta! Ao olhar uma de suas imagens, tenho a impressão que seu olhar penetra a alma. Admiro muito e peço a intercessão deste homem junto a Jesus.
    Certa vez nossa paróquia recebeu as relíquias deste santo, em uma urna com uma réplica de seu corpo em tamanho real. A emoção foi muito grande.
    São João Bosco, rogai por nós!

  2. Saudações, caro Leandro. Nós, aqui de Maceió, também recebemos a urna contendo as relíquias de Dom Bosco, e, para mim, também foi um momento de muita emoção! E atualmente, encontra-se aqui em Maceió, na Casa Dom Bosco, uma urna contendo um fragmento do crânio de Dom Bosco, do antebraço de São Domingo Sávio e da mão de Santa Maria Domingos. A vida de Dom Bosco é, realmente, uma inspiração!!! Muito obrigado pela visita ao “Sacrifício Vivo e Santo”. In corde Iesu!

    • Doutrina Católica disse:

      Nossa mas que benção!

      Eu fiz um post sobre São Domingos Sávio a algum tempo atrás. Como disse antes, a vida de Dom Bosco nos inspira, e a todos nós é um grande exemplo!

      Visite também o blog Doutrina Católica! Aguardamos seus comentários!

      Deus abençoe!

      In corde Iesu,
      Leandro Nascimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s