Obediência

“Pela profissão da obediência, os religiosos oferecem a Deus, como sacrifício de si mesmos, a plena entrega de sua vontade e por isso se unem mais constante e plenamente à vontade salvífica de Deus.”(Perfectae Caritatis n. 14)

A prática das virtudes e o desejo da santidade são, nesta vida, preparação e desenvolvimento da vida eterna.

Para o monge, constitui isto, o conteúdo de sua vocação, pois este é convidado a viver já aqui na terra as realidades celestes.

Para a realização desta tão sublime vocação, S. Bento estabelece o recinto do mosteiro, como lugar propício ao seu desenvolvimento, é a chamada “escola do serviço do Senhor”.

Nesta escola, porém, a perfeição não é buscada como algo particular do monge, mas, comum a todos os membros desta comunidade que poderá chamar-se santa, já que somará mais que santos individualmente.

A comunidade é formada pelo Abade e pelos irmãos, a quem São Bento dedica os capítulos 2 e 3 da Regra.

É na obediência que encontramos o ponto fundamental de união entre essas duas partes, é ela o elemento vital que une todos os membros desse corpo único que é o mosteiro. É pela obediência também, que se viabiliza a prática da tão importante virtude da estabilidade, destacada por S. Bento no capítulo IV de sua regra, quando indica os instrumentos das boas obra, pois é por meio da autoridade que se evita tudo que perturbe a comunidade, ao passo que se realiza tudo que possa favorecê-la; se  ão há uma relação harmônica de obediência entre a cabeça e os membros do corpo é impossível haver comunidade e comunhão.

Podemos dizer que a obediência é o que caracteriza a vida do monge cenobita. É ela a alma do seu compromisso cristão.

Descrevendo os quatro gêneros de monges – anacoretas, sarabaítas, giróvagos e cenobitas – no capítulo I de sua Regra, São Bento caracteriza o “poderosíssimo gênero dos cenobitas” como “aquele que milita sob uma regra e um abade”(RB1,2), ou seja que vive sob a obediência.

Para S. Bento, a obediência não é apenas a aceitação e o cumprimento das prescrições das constituições e dos superiores pela obrigação, nem  confere à ela o mero valor funcional, sendo necessário para o bom funcionamento da comunidade apenas.

Obediência em S. Bento tem um sentido mais dinâmico e amplo; trás uma noção teológica e cristológica, uma noção que inclui tudo o que a S. Escritura expressa com o complexo conceito de obediência.

Como tudo na vida do monge, a obediência, que é simultaneamente amor e serviço aos irmãos, é um sinal escatológico, isto é, tem uma referência à dimensão de eternidade da vida humana.

Pelo voto de obediência, o monge coloca-se de maneira mais eficaz no mistério da vontade do Pai, aceito e vivido por Jesus. Através de seu voto, o monge entra diretamente no caminho escolhido por Cristo, e participa com Ele da missão de levar o mundo a seu verdadeiro destino, o Pai.

Para compreender-se o sentido real da obediência que o monge professa, segundo Dom André Louf, é preciso fazer-se a distinção entre a obediência política e a obediência evangélica na comunidade monástica.

Segundo ele, ainda hoje, na espiritualidade corrente, há uma confusão entre essas duas formas de obediência.

A obediência política consiste em que os membros de uma sociedade prestem obediência a um chefe, em vista do bem comum e este, por sua vez, é obrigado a dar ordens a serviço do bem comum também.

A obediência evangélica está ligada ao sentido da procura incessante da vontade de Deus, à escuta dessa vontade e estar disponível à ela, entregando-se ao seguimento de Cristo até o Pai, passando pela morte. É claro que as duas são importantes e necessárias no mosteiro, porém, a primeira está dentro da dimensão da segunda. Bento não se esquece da organização material da Casa de Deus, no entanto, realça também nelas a realidade sobrenatural; “veja todos os objetos do mosteiro e demais utensílios como vasos sagrados do altar”(RB.31,10).

Por um monge do
Mosteiro da Transfiguração – Santa Rosa/RS

http://www.transfiguracao.com.br

Fonte: Canção Nova

Anúncios

Sobre Alex C. Vasconcelos

Casado, 32 anos, pai de uma princesa, Advogado, Acólito na Paróquia do Divino Espírito Santo em Maceió/AL.
Esse post foi publicado em Formação, Pensamentos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s